• Assessoria de Comunicação

11 de Outubro é Dia Nacional de Prevenção da Obesidade

Dia Nacional de Prevenção da Obesidade

A obesidade é um dos maiores problemas de saúde atualmente e para o futuro. E o alerta é que crianças obesas poderão vir a serem adultos obesos, com maior probabilidade de desenvolver diabetes, doença cardíaca, altas taxas de câncer e outros problemas de saúde.


Segundo dados da Organização, mais de 42 milhões de crianças menores de 5 anos estão acima do peso no mundo, das quais 35 milhões estão em países em desenvolvimento e 92 milhões de crianças com risco para sobrepeso e obesidade. No Brasil, dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram um aumento da obesidade de mais de 300% entre meninos, indo de 4,1% em 1989 para 16,6% . Entre as meninas esta variação foi ainda maior: 2,4% em 1989 para 11,8% . Estudos populacionais mostram que a criança obesa tem de 50% a 80% de chance de se tornar um adulto jovem obeso comparado ao risco menor de 10% em crianças com peso adequado.

A educação é considerada pelos especialistas como fator preponderante no combate à obesidade infantil, inter-relacionada às famílias e seus hábitos de vida. Para o diretor do departamento de Obesidade da Sociedade Brasileira de Endrocrinologia e Metabologia (Sbem) e presidente da Associação Brasiliera para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso), Mario C. Karra, sem a conscientização e a participação das famílias, a mudança de cenário será inviável. “A intervenção dos pais para eliminar os maus hábitos alimentares e para modificar os hábitos sedentários das crianças é comprovadamente eficaz”, afirma.

A criança como agente de mudança da família, trabalhando a conscientização, a educação, a informação, e orientação sobre alimentação, atividade física, boas escolhas. A campanha trabalha quatro princípios básicos para manter a saúde e o peso saudável: comer bem, movimentar-se, beber água e dormir bem.


Combater e prevenir são ações urgentes diante de um problema que vem adquirindo proporções epidêmicas.


No Brasil, os números atuais mostram que a obesidade já é um problema de saúde pública. “O excesso de peso acomete 40% da população brasileira, aumentando o risco de doenças como pressão alta, diabetes, colesterol alterado entre outras”.


A prevenção contra a obesidade passa pela conscientização da importância da atividade física e da alimentação adequada. O estilo de vida sedentário, as refeições com poucos vegetais e frutas, além do excesso de alimentos com fritura e açúcar se refletem no aumento de pessoas obesas, em todas as faixas etárias. Hoje, o índice de crianças brasileiras com sobrepeso já chega a 15%.


Obesidade

A obesidade é caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura corporal. Dentre os fatores que causam a obesidade estão os nutricionais, fisiológicos, genéticos, psiquiátricos e psicológicos, comportamentais e ambientais.


Para o diagnóstico em adultos, o parâmetro utilizado mais comumente é o do Índice de Massa Corporal (IMC). Consideram-se obesas as pessoas com IMC superior a 30. Já as que têm IMC entre 25 e 29,9 são e portadoras de sobrepeso.


O Tratamento:

Os avanços ocorridos nos conhecimentos sobre a obesidade, não foram acompanhados de grandes progressos no que se refere ao seu tratamento. Muitas estratégias de emagrecimento têm sido tentadas, mas, via de regra, perder peso e mantê-lo são extremamente difíceis na maioria dos casos. A perda de peso sempre estará na dependência de um balanço energético negativo, conseqüente à menor ingestão alimentar em relação ao gasto calórico. Classicamente esta situação é alcançada com o binômio redução da ingestão alimentar e aumento da atividade física. Além disso a obesidade é uma doença multifatorial e o controle dos fatores ambientais se faz necessário para combatê-la.


No tratamento da obesidade deve-se objetivar, não só a perda de peso, mas também a correção dos fatores de risco cardiovascular, dependentes da resistência à insulina. A ideia de se reduzir o peso corporal de indivíduos obesos para valores consideráveis normais, através de dietas com conteúdo calórico muito baixo, vem sendo substituída por condutas que levam a um objetivo menos ambicioso e mais realista, pela impossibilidade de se conseguir, a longo prazo, atingir e manter o peso ideal na maioria dos casos.


Fonte: Hospital São Lucas

5 visualizações0 comentário