• Assessoria de Comunicação

Regras úteis para conviver em família



Sabemos que viver em família muitas vezes não é algo simples. A convivência entre pais e filhos, marido e mulher, genros e noras exige uma boa dose de tolerância e bom senso. Entretanto, existem alguns "segredinhos" que podem facilitar ainda mais a busca por um ambiente pacífico no lar.


1. Não espie o celular de outra pessoa

É espantoso o número de pessoas que admitem que pegam o celular de algum familiar, principalmente do companheiro, para bisbilhotar. Além disso, há quem compartilhe táticas para pegar o celular alheio (principalmente do seu amor) para descobrir mensagens privadas. Pode até parecer uma prática fofinha, já que quem ama cuida, não é mesmo? Não!


Parece que esquecemos que uma vida em família é baseada na confiança e no respeito entre as partes. Se você não tem qualquer medo ou vergonha de mexer celular do seu esposo ou esposa ou até mesmo de algum outro familiar, preocupe-se. E se, em uma situação ainda pior, você encontrou no celular mensagens suspeitas, dificilmente demonstrará naturalidade. Aí que mora o problema: possivelmente, você terá de admitir que pegou o celular alheio para procurar por algo. É claro que isso não terminará bem. O ideal é conter o impulso de olhar o conteúdo de um celular que não é o seu.


Além disso, pensemos o seguinte: você pegou o celular do seu amor e encontrou o que não gostaria. Mesmo que a ação de bisbilhotar seja negativa, você perdeu a confiança no seu cônjuge. As desculpas que você vier a ouvir sempre parecerão inúteis. Provavelmente, depois do confronto, as coisas seguirão acontecendo, só que ainda mais escondidas de você, e a relação seguirá de mal a pior. Se deseja descobrir uma traição, não aja dessa maneira; procure alternativas mais honestas para saber da vida de seu parceiro. O diálogo é sempre a melhor saída.


2. Organize uma hora sem dispositivos eletrônicos

Quase todos temos momentos em que, depois de um dia cheio, conturbado, só queremos chegar em casa e passar horas jogando no celular, ler coisas na Internet ou ver episódios novos de nossa série favorita. Como resultado, as noites em família tornam-se silenciosas: mães, pais, avôs, avós e crianças estão em silêncio com seus dispositivos eletrônicos.

Mas preste atenção. A vida passa correndo. Deixamos de saber o que aconteceu no dia de nossos filhos ou de nossos parceiros. Sabemos mais da vida de quem está distante e menos da vida de quem está ao nosso lado. Tente incorporar às suas noites uma hora sem os dispositivos e se surpreenderá em perceber que há muito o que conversar com sua família. Também é possível jogar jogos de tabuleiro, organizar um "dia dos petiscos" ou, simplesmente, jogar conversa fora. Assim é como a união familiar é estabelecida, e o convívio será muito mais interessante.


3. Procure não levar trabalho para casa

Nossas atividades profissionais são partes importantes das nossas vidas. E não importa quanto o seu trabalho o absorva, procure não misturar seus momentos de lazer em casa, com sua família, com sua rotina profissional.

Nossos comportamentos em casa e no trabalho são diferentes e você parecerá deslocado em casa se comportando como se fosse gerente, um médico conversando com outros médicos ou um professor dando aulas. E isso, definitivamente, não é o que a sua família espera de você quando chega em casa, por mais que seus filhos o admirem como profissional. Todos merecem receber carinho e afeto. Por isso comece por você, quebre o gelo em casa; seus familiares não são seus colegas de trabalho e sua família não é uma empresa.


4. Tenha um passatempo familiar

As atividades coletivas são capazes de um unir qualquer grupo. Hoje em dia, é muito popular o estilo de vida saudável. Que tal levar sua familia e seus filhos pra uma caminhada ou um passeio de bicicleta, mesmo que seja pela cidade? Ou que tal um jogo de cartas ou de tabuleiro? Se você não é fã de esportes ou jogos, tentem viajar ou aprender uma língua estrangeira, façam artesanatos, enfim... qualquer coisa em que a união esteja em primeiro lugar. O team building familiar é algo fantástico.


As atividades conjuntas ajudam os pais a verem seus filhos com novos olhos e, os filhos, a conhecerem melhor seus pais. O tempo que passam juntos não tem preço, especialmente se compartilham uma atmosfera alegre e relaxada. Mas aqui é necessário saber equilibrar: na escolha dos passatempos, todos devem ser escutados e deve existir um meio termo entre os gostos, democraticamente. Os pais não devem impor o tempo todo sobre as preferências conjuntas da família e, do mesmo modo, os filhos não devem dominar 100% do tempo. Aposte nisso! Sempre existirá algo que agrade a todos.


5. Construa sua independência

Não importa o quanto amemos nossos sogros e sogras ou nossos pais e mães. Muitos casais sabem, através da experiência, que é necessário ter um tempo a dois. E, mesmo, entre namorados, é importante que cada um tenha seu espaço.


Mas é preciso observarmos o contexto completo, é claro, porque os pais idosos precisam de apoio e cuidado, e eles devem saber que são importantes e amados. Não perca o contato: ligue para seus pais ou sogros, acompanhe-os em algum lugar e nunca negue ajuda. Em qualquer caso, mesmo que a necessidade faça com que você tenha de conviver com esses idosos por condições de saúde fragilizada, tenha em conta que, em algum momento, você deve ter suas particularidades respeitadas.


6. Não obrigue seu cônjuge a aceitar suas paixões

Algumas pessoas são da opinião de que os casais devem dividir tudo e compartilhar todas as paixões e preferências. Com que frequência vemos pessoas que odeiam fazer compras sendo arrastados para as lojas? Ou, então, situações em que um adora ver jogos de futebol e o outro é arrastado para um estádio, vendo um jogo a contragosto? Existem muitos exemplos.

Admitamos que algumas pessoas não suportam as longas caminhadas entre as lojas, passar horas em uma loja em promoção ou ir à uma peça de teatro chata, e não tem nada de errado nisso. Não há problemas em sair sozinho para fazer o que se gosta ou deixar de acompanhar seu amor em uma atividade que você considera chata. Respeitar a opinião de seu cônjuge é fundamental.

Seja flexível, permita que seu esposo ou esposa não ame o que você ama. Esse detalhe abre um mar de pontos positivos, que só trarão leveza no casamento e um convívio muito mais saudável.


7. Lide com as crianças de forma igualitária

As crianças se tornam mais responsáveis e seguras de si mesmos quando têm direito de decidir e podem participar da vida em família em iguais condições que os adultos - claro, respeitados os limites de serem crianças. Muitas vezes, adultos reduzem comunicação com as crianças ao mínimo: os pais dão ordens e os pequenos obedecem. As mães e pais frequentemente confundem a educação com hierarquia, em uma relação onde a comunicação é sempre desigual. Entretanto, a conversa franca, em que a criança fica sabendo de quase todas as questões da família e de sua própria educação, pode contribuir muito mais com sua criação e estabelecimento da confiança. Não é o ideal de família que muitos desejam?

Os cientistas da Universidade da Califórnia, EUA, descobriram que os cérebros das crianças que planejam seu próprio tempo, estabelecem seus próprios objetivos diariamente e avaliam os resultados do trabalho realizado, têm um maior rendimento no córtex pré-frontal. Essas habilidades ajudam as crianças a evitarem problemas de disciplina e distrações.

Fonte: Incrível Club


1 visualização0 comentário
Acesso Rápido

E-mail: gabinetenoemiarocha@gmail.com
Contato: 41 9994-15007

Endereço: Barão do Rio Branco, 720. 4º andar.

         Acompanhe nosso mandato

© 2019 by Ascom Noemia Rocha.    Políticas de Privacidade