• Assessoria de Comunicação

Passeios com cachorro: saiba o que fazer e quais lugares evitar para garantir o bem-estar do animal

Atualizado: Fev 19

Sair com o cachorro ou deixá-lo em casa? A dúvida paira na cabeça dos tutores que querem estar sempre perto do seu animal, porém têm receio do ambiente não ser propício para o pet. Lugares com muita gente, apertados, sem um espaço para ele tomar água, eliminar ou andar, ou com aromas muito fortes, como os shopping centers, por exemplo, podem não ser agradáveis para o cão. Ele pode se sentir mal, incomodado, com medo ou estressado e, o que deveria ser um momento de lazer e diversão, se transforma em caos e preocupação.


Por isso, é importante ressaltar que oferecer cuidado ao animal é compreender que alguns lugares e passeios não vão agradá-lo e é preciso respeitar esse limite. Sair para passear e viajar com o cachorro é importante para livrá-lo do tédio, para exercitá-lo e estimular o convívio social, mas há ressalvas e este artigo vai ajudar os tutores a identificarem e a escolherem melhores formas de passeio.


Celular durante o passeio

Os passeios devem fazer parte de uma rotina saudável nos cuidados com o cachorro. O animal precisa deles para não sentir tédio, para se exercitar e ter convívio social, diminuindo assim problemas de saúde e falta de habilidade social. No entanto, a saída para os passeios deve ser feita com consciência do tutor.

Guia, coleira, água e saquinhos para coletar o cocô. Tudo isso em mãos e o celular no bolso. Sim, o uso do celular durante o passeio deve ser feito com cautela, pois a atenção desviada para o aparelho pode gerar problemas. Por exemplo, o cachorro pode comer alguma coisa estranha na rua e o tutor não perceber ou, então, o animal pode avançar em outra pessoa ou em outro animal, se sentir amedrontado, e o tutor não estar preparado para interferir a tempo. Uma atitude consciente evita problemas e garante o bem-estar de todos.


Bares e restaurantes, devo levar meu cão?

Hoje em dia, estabelecimentos chamados de pet friendly permitem a entrada e permanência de animais de estimação nos ambientes externos e extensões de mesas nas calçadas. Mas, antes de sair com o cachorro para um bar ou restaurante, certifique-se de que é mesmo pet friendly e de que há área aberta para ele, com um lugar para colocar um potinho com água e comida.

Além disso, é importante, para que todos se sintam bem, que o animal fique tranquilo ali, bem acomodado, sem fazer muitas estripulias. O tutor deve ter a consciência do quanto seu pet está se sentindo bem (ou não) no lugar. Ambientes com muita gente e música alta podem não agradar muito o cachorro e deixá-lo irritado, fazendo com que fique inquieto e latindo em excesso.


Algumas regrinhas de etiqueta para cão e tutor em restaurantes e bares

- coleira e guia sempre, em todos os pets. Para alguns cães, há recomendação de usar focinheiras (habituação gradativa); - sacos plásticos para as eliminações do animal; - um pouco de ração ou um sachê em caso de necessidade; - ensine ao cão a não incomodar as outras pessoas enquanto elas comem; - esteja sempre atento ao animal.


Passeios no shopping com o cão, como fazer?

Passear no shopping com o cachorro pode ser uma boa opção em dias de chuva ou quando o tutor precisa resolver algo por lá. Mas, em se tratando de um lugar fechado e com muitas pessoas circulando, algumas condutas de bom comportamento de pet e tutor devem ser seguidas. Antes mesmo de sair de casa, prepare o animal, alimente-o, coloque coleira e guia, prepare uma garrafinha com água e saquinho para coleta das fezes.

No shopping, o responsável pelo cachorro deve lembrar que nem todo mundo é obrigado a gostar de cão e muitas pessoas, inclusive, têm medo. Então, a recomendação é manter o animal sempre junto ao tutor, com guia e coleira. Antes de entrar em uma loja com o pet, peça autorização ao vendedor. Na praça de alimentação, geralmente, os cachorros não são permitidos. Respeite a regra e o bem-estar de quem está ali fazendo sua refeição.

O tempo de permanência no shopping também deve ser levado em consideração. O movimento intenso das pessoas, os ruídos estranhos, as luzes fortes e os aromas variados das lojas podem incomodar bastante o cão. Por isso, maneire na exposição.

Posso ir à praia com meu cachorro?

Ver o animal correndo pela areia e se refrescando no mar é uma cena confortante e feliz para o tutor. Brincar ao ar livre faz bem pro cachorro (e pra cachorro), mas, neste caso, alguns cuidados precisam ser tomados, sempre com a intenção de garantir o bem-estar e a saúde do companheiro de quatro patas.

Primeiro, é preciso certificar-se de que a praia está liberada para os cachorros. Em algumas cidades do litoral, há leis que proíbem a entrada de animais na faixa de areia e há multa para quem descumpre. Caso o acesso seja livre, o tutor deve levar o cão sempre na guia, ficar próximo e atento ao que o cachorro pode ingerir e que pode comprometer sua saúde, como restos de alimento deixados na areia ou animais mortos. Além disso, é fundamental ter em dia as vacinas e a vermifugação.


Cachorros em parques e praças

Assim como em algumas praias, praças e parques, principalmente aqueles com parquinhos e brinquedos para crianças, podem restringir a entrada de cachorros ou até mesmo proibir. Por isso, o tutor deve saber em quais espaços públicos o seu cão é bem-vindo. Ao estar em uma praça ou parque, é fundamental que o animal esteja com a guia para evitar fugas e o tutor ter o controle. Nos passeios e saídas com o cachorro, a segurança de todos que dividem o mesmo espaço deve ser garantida.

Como começar a sair com o cachorro?

Para que esses momentos de passeio e lazer sejam realmente positivos, o cães devem estar bem adaptados à coleira e à guia. Para isso, paciência, carinho e tempo são fundamentais. Antes de sair, é preciso ensinar o animal a usar os acessórios e deixá-lo confortável com isso. O comportamento do cachorro vai depender da atitude do tutor de ensiná-lo a passear pela rua, a conviver com outras pessoas e animais.


Fonte: Psicologia Animal

14 visualizações0 comentário