• Assessoria de Comunicação

O lixo produzido durante o isolamento social precisa ser reciclado

O tempo passado em casa gera uma consciência maior sobre os resíduos produzidos e qual fim eles devem ter.

O primeiro 'R', dos cinco 'erres' da sustentabilidade é repensar, seguido de recusar, reduzir, reutilizar e reciclar. Mostrando que diminuir a produção de lixo é prioridade.


-

Você tem a impressão de que seu lixo aumentou no período de isolamento social? Não é bem assim. "Quando a gente está fora de casa, comemos, consumimos e deixamos na cidade um lixo a gente não vê. Portanto, não contabilizamos como sendo nossa produção. Durante a quarentena, houve uma transposição desse lixo para dentro de casa", explica Cristal Muniz, autora do livro Uma vida sem lixo.

A coleta de materiais recicláveis no país aumentou entre 25% e 30% em abril, de acordo com a Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe). "Esse crescimento mostra que houve alteração no perfil dos resíduos gerados, com menos orgânicos e mais embalagens, consequência do aumento do mercado online para alimentação ou itens em geral", avalia Carlos Silva Filho, diretor-presidente da entidade.

É o caso da engenheira civil Sofia Junqueira, que passou a morar sozinha durante a pandemia. Ela admite "viver a base de delivery". "Compro almoço, janta e faço mercado online". Um consumo que aumenta – e muito – a produção de lixo. "Eles mandam papelão, isopor, plástico. O papel para limpar a mão, por exemplo, vem enrolado no plástico. É muito mais lixo do que precisa."

"Estamos atravessando um momento ímpar, onde podemos observar a quantidade de resíduos que geramos em nosso dia a dia. A partir desta reflexão, podemos aproveitar para discutir e conscientizar a população para onde vai todo este lixo e qual o impacto ambiental resultado do descarte inadequado", reflete Rafael Zarvos, especialista em gestão de lixo doméstico e fundador da Oceano - Gestão de Resíduos. Não sabe por onde começar? Nós ajudamos.

O básico. Lave seu material minimamente antes de separá-lo. "A caixa de pizza, por exemplo, não tem problema ter um pouquinho de muçarela ou óleo, apenas garanta que o resto da pizza não esteja lá", ensina Alexandre Braz, fundador do Instituto Muda, empresa que atua na coleta seletiva de condomínios residenciais. Para o caso de vidro, sempre enrole em um jornal ou coloque em uma caixa para evitar que os catadores e funcionários da coleta se machuquem.

O óleo de cozinha é um produto que gera dúvidas. Para descartá-lo corretamente, armazene-o em um recipiente com tampa, como uma garrafa PET ou uma embalagem de vidro. No site Óleo Sustentável é possível pesquisar o local mais próximo que aceita o produto para reaproveitá-lo na produção de sabão ou biodiesel.

É preciso ter cuidado com lixo eletrônico: ele não deve ser descartado junto com seu lixo, pois ele deve ter um destino certo.


-

Aplicativos

A tecnologia é uma aliada. O Cataki, por exemplo, é um aplicativo que conecta um catador com um usuário que deseja descartar corretamente o seu material reciclável. Baixe o app (iOS e Android) e coloque suas informações pessoais, incluindo seu endereço. No ícone "busca", você filtra o tipo de material a ser reciclado; assim, alguns catadores irão aparecer nos resultados. Ao clicar no nome deles, você consegue o contato e, assim, é possível combinar um horário para ele fazer a coleta.

"Não estamos incentivando as coletas via app neste momento, temos falado e comunicado sobre a necessidade de catadores tentarem se manter em distanciamento social, mas a realidade nas ruas é diferente e a coleta continua acontecendo", explica Juliana Fullmann, coordenadora de Projetos do Cataki.

"Da mesma forma que o cliente está pensando que a doença está em mim, eu também penso; também tenho medo de pegar", diz David Max catador há 24 anos. "Dependemos do material. Minha casa é fruto do dinheiro da reciclagem."

Para quem apenas gostaria de tirar dúvidas, como descobrir se um material é reciclável ou não, a Nestlé providenciou um número de WhatsApp que tira dúvidas básicas de reciclagem, o Ecobot: (11) 99714-0849.


-

Um passo além

Caso você já faça a reciclagem dos seus materiais, mas mesmo assim quer dar um passo além para ajudar o planeta, é hora de tentar reduzir sua produção de lixo (e até fazer uma composteira em casa).

"Precisa sim separar o resíduo para a reciclagem, mas o que precisamos mesmo fazer é parar de produzir tanto lixo", explica Cristal, que está desde 2015 sem produzir lixo. O primeiro "R", dos cinco "erres" da sustentabilidade é repensar. Seguido de recusar, reduzir, reutilizar e reciclar. Mostrando que diminuir a produção de lixo é prioridade.

Durante esse tempo dentro de casa, é possível experimentar coisas novas. Troque o saco plástico do lixo do banheiro por jornal ou, quem sabe, tente fazer um desodorante caseiro – e veja se esses são caminhos viáveis. "São receitas fáceis de fazer, que não têm nada de avançado", diz Cristal. Outras opções são substituir os guardanapos de papel pelos de pano e copos plásticos pelos de vidro. No lugar dos absorventes tradicionais, prefira os coletores (se você não sabe do que se trata, o perfil no Instagram @papodecopinho tira dúvidas).


Fonte: Dom Total

0 visualização
Acesso Rápido

E-mail: gabinetenoemiarocha@gmail.com
Contato: 41 9994-15007

Endereço: Barão do Rio Branco, 720. 4º andar.

         Acompanhe nosso mandato

© 2019 by Ascom Noemia Rocha.    Políticas de Privacidade