• Assessoria de Comunicação

Insetos inofensivos, mas de aparência ameaçadora

Devido à sua aparência ameaçadora, alguns insetos não são totalmente amigáveis ​​a olho nu. Entretanto, a maioria deles é inofensiva para o homem e, às vezes, são até úteis.

Os coridálidos são uma família de insetos de tamanho grande e aparência ameaçadora. São mais conhecidos na fase larval do que na fase adulta, pelo simples fato de serem utilizados como isca para peixes.


Por que esse aspecto ameaçador? Existe alguma explicação defensiva ou se deve a outro motivo? Os humanos, em muitas ocasiões, cometem erros ao associar certas características externas de alguns animais a uma ameaça.


Consequentemente, tendemos a querer eliminá-los, desprezando sua importância ecológica. Aqui resolveremos algumas dessas dúvidas e mostraremos como, às vezes, os animais de aparência mais ameaçadora são os mais necessários.


Generalidades sobre Corydalus cornutus, o inseto de aparência ameaçadora

Os coridálidos pertencem à ordem Megaloptera, que se distribui por todo o mundo. Sua aparência ameaçadora se deve ao fato de que os machos possuem duas grandes mandíbulas em forma de foice.



São insetos de asas grandes com vasos sanguíneos salientes, que criam padrões fascinantes em sua superfície. Suas asas são geralmente de cor clara ou acastanhada, com manchas ou padrões variados. Os indivíduos adultos, tanto masculinos quanto femininos, são caracterizados por possuírem ocelos como órgão visual.


Desenvolvimento larval

São considerados uma das ordens mais primitivas de insetos holometabólicos, ou seja, de metamorfose completa. Eles produzem larvas aquáticas, predatórias e de vida muito longa que, além disso, são as maiores larvas entre os insetos. Nas demais fases (ovo, pupa e adulto), são terrestres.


A fase larval é a mais longa de todo o ciclo biológico, sendo a fase adulta a mais curta, efêmera, durando poucos dias de vida.


A larva cresce muito lentamente e, quando atinge o seu pleno desenvolvimento (com comprimento de até sete centímetros), rasteja sob as pedras da margem, para passar à fase seguinte. Como todos os insetos neurópteros, ele se transforma em uma ninfa dentro de um casulo tecido com seda.


A diferença é que sua seda é produzida pelo órgão giratório e, depois, secretada pelo ânus, enquanto a seda das borboletas vem de glândulas localizadas em suas cabeças.

O adulto sai depois de algumas semanas e tem envergadura que pode chegar a 18 centímetros.


A aparência ameaçadora da fase adulta

Seu grande tamanho, em comparação com outros insetos, é um fator importante na geração do medo em humanos. Contudo, o que realmente confere a aparência ameaçadora característica são as mandíbulas grandes do macho adulto. Mandíbulas que, na verdade, servem apenas para segurar a fêmea durante o acasalamento. Ou seja, a menos que o animal se sinta ameaçado, não são apêndices usados ​​para atacar.


Família Sialidae, megalópteros sem aquele aspecto ameaçador característico

O Sialis lutaria é um inseto primitivo cujas larvas vivem entre um e dois anos, permanecendo na água, seja corrente ou parada. Também são larvas carnívoras, como as dos coridálidos. E com suas poderosas mandíbulas em forma de pinça agarram qualquer animal que passa.

As fêmeas colocam seus ovos na folhagem, na beira do curso d’água. Elas colocam uma única massa de ovos que pode chegar a 200 unidades. Ao longo de sua vida, podem colocar até 2000 ovos.


A larva tem um corpo dividido em segmentos, cada um com um par de apêndices articulados:

Os dois da cabeça constituem as mandíbulas.

Os três do tórax são usados ​​como patas adicionais.

Os sete do abdômen funcionam como guelras.


O adulto, que tem antenas compridas, voa pouco, mas, se incomodado, corre pelos caules e folhas e voa de um lado para o outro. Se estiver calmo, fica parado, com as asas dobradas nas costas, ou caminha por entre as plantas ou pedras à beira da água.


Durante a vida adulta, que dura apenas alguns dias, esse inseto não se alimenta. Seu único objetivo é o acasalamento e a reprodução, para dar origem a uma nova colônia de larvas predadoras. Uma vez que o macho fertiliza a fêmea, seu destino é ser comido por outros animais. A mesma coisa acontece com a fêmea depois que os ovos são postos.


Qual é a importância desses curiosos insetos?

A presença de larvas dessas espécies nos cursos d’água serve como um indicador de qualidade. A maioria deles necessita de água oxigenada sem qualquer poluição, embora seja verdade que, ao longo dos anos, eles têm desenvolvido alguma tolerância.


Qualquer espécie indicadora deve ser protegida, pois nos ajuda a conhecer uma característica exclusiva de uma região ou a saúde de um ecossistema. Portanto, por mais que um animal, a priori, apresente um aspecto ameaçador, ele deve ser preservado como qualquer outro.


Fonte: MyAnimals

13 visualizações0 comentário
Acesso Rápido

E-mail: gabinetenoemiarocha@gmail.com
Contato: 41 9994-15007

Endereço: Barão do Rio Branco, 720. 4º andar.

         Acompanhe nosso mandato

© 2019 by Ascom Noemia Rocha.    Políticas de Privacidade