• Assessoria de Comunicação

Gestão de resíduos: como o nosso lixo afeta o meio ambiente?

Todos nós já ouvimos falar sobre a importância da gestão adequada de resíduos sólidos. Ainda assim, a maioria de nós não sabe para aonde vai nosso lixo, ou, mais especificamente, os impactos negativos que surgem de quando o descartamos de forma inadequada. Já falamos aqui no blog sobre reciclagem, sustentabilidade, logística reversa e economia circular. Vamos saber um pouco mais sobre o destino dos resíduos sólidos?



-------


Afinal, o que é o lixo?

Lixo é tudo aquilo que não é aproveitado por qualquer atividade humana ou animal, que é abandonado como indesejado e inútil. Também é chamado de resíduo sólido. Geralmente, o lixo é gerado a partir de atividades industriais, residenciais e comerciais e pode ser tratado de várias maneiras.


-------


Os resíduos podem ser classificados em:

  • Secos: plástico, vidro, metal e papel;

  • Úmidos: restos orgânicos

  • Perigosos: pilhas, baterias, aparelhos eletrônicos, entre outros;

  • Rejeitos: papel higiênico, fraldas, couro, entre outros.

A principal norma brasileira para classificação destes resíduos é a norma ABNT NBR 10004/2004.


-------


A situação dos resíduos sólidos no Brasil

Segundo relatório da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), dos estimados 79 milhões de toneladas de lixo gerados anualmente, só 92% chegam a ser coletadas. Cerca de 6,3 milhões de toneladas são depositadas sem controle, mesmo com a legislação brasileira que determina a destinação para tratamento e, em último caso, destinação para os aterros sanitários.


Também segundo a Abrelpe, apenas 4% do total de resíduos sólidos urbanos no país são reciclados. Somente 18% dos municípios brasileiros realizam a coleta seletiva segundo um estudo feito pelo Compromisso Empresarial para Reciclagem (Cempre). Atualmente, o Brasil tem aproximadamente 3 mil lixões a céu aberto em funcionamento, e cerca de 730 aterros sanitários (tecnicamente adequados).


-------


O que é um aterro sanitário?

O aterro sanitário é um local para descartar resíduos e outros materiais que são enterrados e cobertos com solo. Hoje, apesar de termos disponíveis métodos de descarte mais sustentáveis, como a reciclagem, ainda enviamos milhões de toneladas de lixo para aterros, anualmente. Nos aterros sanitários, o solo é impermeabilizado para impedir que o chorume contamine a terra e alcance o lençol freático. Além disso, há um tratamento dos gases resultantes da decomposição dos resíduos. Tudo é feito para causar o menor impacto possível ao meio ambiente. As construções desses aterros são pautadas em normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Porém, estes aterros sanitários deveriam receber somente os rejeitos. Na prática, no entanto, eles estão sendo sobrecarregados com resíduos que poderiam ser reciclados e até cheios de matéria orgânica (como restos de comida) que poderiam ser compostados.


-------


Qual a diferença entre lixão e aterro sanitário?

O lixão é uma forma inadequada de armazenar os resíduos. É um amontoado de lixo no solo, ao ar livre, sem nenhuma preocupação com o meio ambiente e a saúde pública. Esses locais geralmente ficam longe dos centros urbanos para esconder o problema, e alguns chegam até a ser clandestinos.


Os lixões não só são feios de se ver, mas também representam uma série de problemas ambientais, econômicos e de saúde nas comunidades locais. A variedade de materiais jogados em aterros sanitários, além dos produtos químicos que resultam da decomposição do lixo, cria uma mistura tóxica, que resulta em grandes quantidades de poluição. Esse chorume pode infiltrar-se nas águas subterrâneas e afetar o meio ambiente local. O lixo eletrônico, por exemplo, contém vários tipos de produtos químicos perigosos, incluindo chumbo, cádmio, mercúrio, entre outros. Quando descartados em lixões, esses materiais perigosos eventualmente contaminam o meio ambiente, poluem o