• Assessoria de Comunicação

Entenda o que é DIY e o que você pode ganhar com isso

Você já ouviu falar do termo DIY? Embora sua origem seja datada ao início do século XX, ele está mais na moda do que nunca e, além disso, vem ganhando mais e mais tração no mundo. Para você que não conhece esse movimento, ele se baseia na ideia de que as pessoas são capazes de encontrarem soluções práticas e originais para problemas domésticos do dia a dia sem depender dos outros.



De arrumação da casa à fabricação dos próprios objetos de decoração, o DIY está aí para ajudar não apenas quem quer trabalhar sua criatividade, como também as pessoas que querem gastar menos.


Para quem quer economizar para comprar um apartamento, por exemplo, aderir ao DIY vai garantir não apenas a diminuição dos gastos, como também vai deixar a decoração do seu novo lar muito mais personalizado e único, com a sua cara e a da sua família.


A seguir, vamos te ajudar a entender o que é o DIY e como ele pode mudar a maneira como você emprega suas habilidades e a maneira como cuida do seu imóvel.


1. O que é DIY – Do It Yourself

DIY é uma sigla para o termo Do It Yourself, o qual em inglês quer dizer Faça Você Mesmo. Esse é um movimento, ou um método, de construir, reparar ou customizar as coisas sem utilizar os serviços de profissionais.


Além de dispensar a ajuda de experts, a mentalidade por trás do DIY valoriza a criatividade e a fabricação ou customização de espaços, ou objetos utilizando itens que normalmente temos em casa. Essa é uma forma de reutilizar tudo aquilo que está encostado sem propósito na casa ou decorar apartamento gastando pouco.


Dessa maneira, ao incentivar a reutilização de materiais, pode-se dizer que o DIY não contribui apenas para uma decoração sustentável, como também para uma alternativa mais econômica em relação aos produtos prontos — e, muitas vezes, caros — que encontramos em lojas.


Caso você esteja tentando gastar menos, esteja disposto a usar a criatividade e botar a mão na massa, o DIY, com certeza, é para você. O que não vai faltar são inspirações, tutoriais e outras pessoas dando ótimas ideias para melhorar o seu imóvel e, por consequência, a sua vida.


2. Como surgiu o DIY

Embora seja difícil apontar com certeza a origem do DIY, hoje em dia o movimento é amplamente visto como originário dos Estados Unidos, no início do século XX.


Vindos de uma nação baseada na ideia de empreendedorismo e autossuficiência, os americanos valorizam muito a ideia de fazer as coisas com as próprias mãos e ferramentas. Isso não apenas aumenta a já mencionada autossuficiência das pessoas, como também ajuda a reduzir gastos com mão de obra e produtos industrializados.


A ideia de evitar o consumo de produtos industrializados se tornou ainda mais popular na década de 50, com movimentos anticapitalistas e anticonsumismo ganhando tração na cultura americana. Essas ideias voltaram a ter força devido ao aumento da preocupação com questões ambientais como a escassez de recursos e o aquecimento global. Tudo isso contribui para o fato de que o DIY está mais na moda do que nunca.


Hoje em dia, a ideia de ser mais sustentável está cada vez mais sendo agregada à mentalidade do DIY, já que a reutilização de materiais diminui a quantidade de lixo e desperdício. Ao criar objetos a partir de materiais usados e que são normalmente descartados, o DIY garante o melhor aproveitamento das coisas que temos na nossa própria casa.


3. As possibilidades

As áreas nas quais o DIY se vê presente são inúmeras, e só tendem a aumentar. De decoração às ferramentas de utilidade prática, o movimento desafia as pessoas a enxergarem os objetos que utilizam no dia a dia de uma nova forma e a criar maneiras criativas de realizar melhorias e reparos domésticos.


Por exemplo, você sabia que é possível criar um sprinkler para regar seu jardim usando uma mangueira e uma garrafa PET? Sim, é apenas fazer alguns furos na garrafa e encaixá-la na mangueira com um injetor de irrigação. Assim, a água sai pela garrafa na direção dos furos.

A seguir, vamos explorar algumas das áreas nas quais o DIY tem grande presença, como a marcenaria e a customização.


3.1 Marcenaria

Com a marcenaria, você é capaz de criar os mais diferentes móveis e objetos. Tendo as ferramentas certas, você pode criar mesas, cadeiras, bancos, camas e caixas com preços bem mais em conta do que os encontrados em lojas.


Caso você tenha os equipamentos de marcenaria em casa, a internet pode ensinar a fazer todos os tipos de móveis e objetos de decoração. Porém, caso não tenha os instrumentos, existem alternativas.


Procure na sua cidade os chamados maker spaces, os quais são espaços que têm máquinas e ferramentas como serras automáticas, máquinas de corte de mdf e acrílico a laser, as quais podem ser alugadas por hora ou dia. Os preços para o uso dessas ferramentas costumam ser bem em conta, muitas vezes ficando ainda bem mais barato do que comprar um móvel pronto.


Quando juntamos DIY e marcenaria, um dos materiais mais encontrados em tutoriais é, sem dúvida, o pallet. Barato e versátil, o pallet substitui muito bem a madeira, sendo também mais em conta e, com frequência, mais leve. Coloque algumas almofadas ou em cima de pallets, e você tem um banco para o jardim. Já na parede, um pallet pode ser usado como um estrado para vasos de plantas.


Com a madeira, as possibilidades são enormes, e você pode criar móveis que não apenas vão valorizar o ambiente como vão durar por anos.


3.2 Customização

Os materiais mais usados para a customização DIY são recipientes usados como garrafas de vidro ou PET, caixas de sapato ou de mdf, roupas rasgadas ou manchadas, utensílios de cozinha, para citar apenas alguns.


Um material versátil na parte da customização são os azulejos, os quais podem ser colados na superfície de caixas e portas, se tornando, assim, uma espécie de acabamento. Além de bonito, esses acabamentos escondem a superfície que está embaixo.


Por isso, se você tem uma porta arranhada ou até mesmo esburacada, é possível cobri-la com azulejos, adesivos ou papel de parede. As crianças, em especial, adoram essa parte de customização, pois é algo que não apenas estimula a criatividade delas, como pode também se tornar um momento divertido para ser feito em família.


Como você pode ver, customizar objetos pode ser uma ótima forma de renovar o seu espaço, e melhor, sem ter que pagar caro por isso.


3.3 Decoração

Na parte da decoração, você pode, e deve, deixar a sua imaginação solta. Um ralador pode ser transformado em uma cúpula de abajur, pallets podem se tornar poltronas, mesas, estantes e até mesmo camas. Uma lata de lixo pode virar o pé de uma mesa de canto, uma porta pode ser usada como uma mesa.


O essencial aqui é pensar fora da caixa. Observe bem os objetos e materiais que você ou amigos e parentes têm encostados em casa e tente imaginar o que de diferente poderia ser feito com eles.


Uma lata daria um ótimo porta-lápis? Separe uma tinta, pinte-a e faça a customização que achar melhor e está pronto para decorar um escritório em casa.


Decorar quarto de criança, por exemplo, é uma atividade que pode ser feita com os próprios trabalhos dela. Tente, por exemplo, usar os desenhos delas com técnicas de bricolagem em caixas e armários. Recortes de figuras em papel podem se transformar em telas de abajur com sombras no formato recortado. As possibilidades são inúmeras, e você pode estar sempre descobrindo uma nova.


Uma alternativa bem em conta e que pode transformar seu ambiente por completo é o uso de plantas para dentro de casa. Poucos objetos trazem tanta vida e personalidade para um cômodo quanto às plantas. E com os cuidados certos, elas podem durar meses, e até mesmo anos. Caso a sua planta seja de fácil propagação, é até mesmo possível ter vários vasos a partir de uma.


A begônia, por exemplo, uma espécie muito popular, pode ser propagada através da folha. Você retira uma das folhas, coloca em um vaso com terra apropriada, umedece com um borrifador e cobre o vaso com plástico até as folhas começarem a criar raízes e pronto! Você tem uma nova begônia.


Dica: Suporte de plantas com palitos de sorvete

E por falar em plantas, que tal criar um suporte próprio para elas? É possível fazer isso com um objeto muito simples, barato e que pode ser encontrado com facilidade: palitos de sorvete. Existem várias maneiras de fazer isso. A mais simples é construir um cubo vazado com os palitos de sorvete, de maneira que o vasinho de planta possa caber dentro dele.


É importante que o suporte seja feito para comportar vasos pequenos e não tão pesados, já que os palitos não são tão resistentes assim. Caso você pense em fazer um suporte maior, pode precisar de mais palitos de sorvete, como uma maneira de fazer um reforço para a estrutura. Uma dica para esse DIY é decorar os palitos de sorvete, como pintá-los de outra cor ou fazer desenhos neles, para que eles fiquem personalizados e combinando com a sua casa.


Também é possível fazer uma versão suspensa de um suporte para plantas com palitos de sorvete. Para isso, serão necessárias algumas cordas para que o vaso possa ser pendurado. Para fazer esse suporte, é preciso apenas unir as pontas dos palitos com cola, formando um quadrado. No vão ao meio é onde será colocada a planta.


Depois, é preciso pegar quatro pedaços de corda do tamanho que quiser, de acordo com a altura pretendida para o vaso. Também é importante que os 4 pedaços sejam do mesmo tamanho. Após isso, amarre uma ponta da corda nas 4 pontas do quadrado (você pode fazer mais de um, caso ache que a estrutura fique muito fraca). Depois, amarre a ponta restante das cordas nelas mesmas, e então, é só pendurar onde quiser.


Muitas das coisas que parecem difíceis ou são caras podem ser feitas rapidamente e por um preço muito mais em conta, e, até mesmo, de graça. Pronto para começar agora a decorar sua casa ou apartamento por conta própria?


3.4 Pequenos consertos

A mentalidade DIY não é usada apenas na decoração e na customização, mas também é uma mão na roda na hora de realizar reparos domésticos com o que normalmente se tem em casa. As dicas vão de remendos na roupa a renovação de móveis.


Nessa área, você vai encontrar dicas inesperadas, como usar pasta de dente para cobrir pequenos buracos na parede, ou usar um ferro de passar roupa para renovar o verniz de um móvel desgastado.


O DIY também oferece tutoriais práticos, como, por exemplo, explicações de como desentupir um vaso usando apenas um cabide de metal, como trocar uma resistência de chuveiro, como renovar a pintura da parede, o processo de instalação do papel de parede e outras tarefas que são relativamente simples e requerem apenas tempo e paciência.


Por isso, caso exista um furo ou rachadura na sua parede ou se algum móvel está quebrado ou sem brilho, faça uma pesquisa dos tutoriais DIY na internet antes e evite gastar dinheiro em coisas que poderiam ser feitas por você.


3.5 Renovar móveis

Em casa, é possível encontrar diversos móveis que já estão considerados antigos ou que não estão combinando com a decoração da casa. Assim, uma ideia para dar uma nova vida a esses objetos é redecorá-los, para que eles se pareçam com novos e possam mudar o ambiente sem precisar adquirir novos.


Uma ideia interessante é pintar as hélices de um ventilador. Dessa forma, você poderá ter um modelo mais colorido ou rústico para o seu ambiente, de acordo com o que achar melhor para ele. Outra ideia é colar papéis de parede ou pedaços de tecido para deixá-lo com uma estampa diferenciada.


Você também pode personalizar outros tipos de objetos e móveis, como cadeiras, portas e mesas. O importante é usar a criatividade e pesquisar diferentes materiais, e maneiras de fazer com que a sua casa tenha uma renovação. No final, você poderá se orgulhar de ter feito manualmente essas mudanças.


É importante ficar atento a algumas especificidades de certos materiais. Por exemplo, móveis de madeira precisam ser pintados por uma tinta própria para esse material, caso contrário, poderá causar problemas na durabilidade ou qualidade do imóvel. Então, pesquise bastante sobre o que pode ser feito ou não.


Também existem alternativas mais elaboradas para a reforma, como mudar o estofado de sofás e cadeiras. Esse pode ser um processo mais trabalhoso e que, até mesmo, pode requisitar a participação de um profissional que saiba fazer esse procedimento. Nesse caso, você pode atuar na área criativa, escolhendo o tipo de estofado ou até mesmo criando o seu próprio para os móveis.


3.6 Outras coisas

Embora a fabricação de objetos, customi