• Assessoria de Comunicação

E se ao invés de “depois a gente compra”, ensinássemos educação financeira para nossos filhos?

Você conhece a frase “depois a gente compra“? Pois é! Muitos de nós já ouvimos e até já usamos essa expressão com as crianças. Mas o que ela significa? E por que os pais e responsáveis utilizam essa estratégia com os pequenos e pequenas? É hora de falar sobre educação financeira! Vamos lá?



Crianças x Dinheiro

Se o seu pequeno ou pequena tem por volta de 3 anos ou mais, provavelmente você já passou pela seguinte situação. Ao levá-lo a um passeio ou ao supermercado, a criança pede insistentemente por algum objeto que deseja muito. Seja um lanche, uma roupa nova ou mesmo um brinquedo, por exemplo. Em muitos casos, é justamente nesse momento que a frase “depois a gente compra” é utilizada, não é mesmo?


Isso acontece porque, desde cedo, as crianças começam a perceber que, para adquirir o objeto que tanto desejam, é necessário algum dinheiro. No entanto, para que essa relação com o consumo seja saudável e positiva tanto para adultos quanto crianças, é preciso falar sobre educação financeira.


Afinal, é muito importante que as crianças tenham contato, de forma lúdica e leve, com noções básicas sobre o dinheiro e as compras. E, assim, elas poderão crescer e estabelecer uma relação mais saudável, responsável e equilibrada com as finanças na vida adulta.


A importância da educação financeira para crianças

Introduzir a educação financeira na vida dos pequenos e pequenas colabora para um futuro mais consciente. Ou seja, ajuda as crianças a ganhar, poupar e gastar com sabedoria. Dessa forma, trata-se de uma habilidade essencial para o século XXI.


No entanto, é fundamental que esse contato respeite sempre a idade da criança. Por meio do diálogo, adequado a faixa etária de cada um, é possível ensinar sobre dinheiro, trabalho, consumismo, economia e até sustentabilidade.


Nesse sentido, os pais e responsáveis podem iniciar essa conversa de maneira sutil e natural, com o uso de jogos, livros e do cofrinho, por exemplo. E, assim, vão muito do além do “depois a gente compra” como estratégia com os pequenos e pequenas.


Mesada: dar ou não dar?

Por vezes, receber seu próprio dinheiro contribui para que as pessoas reflitam de forma crítica sobre suas poupanças, seus gastos e seus desejos. Pensando nisso, algumas família adotam o método das mesadas ou semanadas para ensinar os pequenos e pequenas sobre educação financeira. Esse processo consiste em dar determinada quantia de dinheiro para as crianças, com uma frequência regular.


A mesada é uma estratégia interessante para que os pequenos tenham que gerir, desde cedo, as próprias finanças. Contudo, especialistas indicam que, para as crianças mais novas, seja utilizada a semanada. Isso porque a dimensão de tempo entre os mais novos ainda é muito imediata.


Além disso, é importante que o valor da mesada ou semanada varie de acordo com a idade da criança. É possível dar R$1 para cada ano do pequeno ou pequena, por exemplo. Portanto, se seu filho tem 8 anos, ele receberia R$8 por semana.


Tudo o que você precisa saber sobre educação financeira

Quer saber mais sobre o assunto? Confira nossa matéria sobre educação financeira para crianças! Ali, você confere também uma parceria exclusiva entre a Leiturinha e a Genial Investimentos, além de descobrir um e-book incrível, preparado especialmente para os pais e responsáveis!


E aí na sua casa? Você ainda usa a frase “depois a gente compra”? Conte para nós como vocês trabalham a educação financeira com os pequenos!


Fonte: Leiturinha

2 visualizações0 comentário