• Assessoria de Comunicação

Crianças que brincam sozinhas desenvolvem habilidades fundamentais para a vida adulta

Tudo bem que encontrar uma criança brincando sozinha pode não ser a cena mais agradável de se ver. Mas, isso não quer dizer que ela não esteja aprendendo e evoluindo. “A criança brincar sozinha não é algo ruim, muito pelo contrário. Ruim é ela só brincar sozinha o tempo todo”, enfatiza Marjorie Rodrigues Wanderley, professora do curso de Psicologia da Estácio Curitiba.



A psicóloga lembra que conviver com pares é algo extremamente importante para o desenvolvimento social e cognitivo dos pequenos, mas explica que se divertir por conta própria tem suas vantagens. “É uma habilidade a ser desenvolvida no sentido de que a criança precisa criar, ela mesma, condições para se divertir. E isso não é fácil de fazer”, afirma.


Marjorie considera, inclusive, que essa seja uma virtude que falta em muitos adultos hoje em dia: aproveitar a própria presença. “É mais uma daquelas coisas que são importantes no processo de evolução do indivíduo e que vão fazer a diferença lá na frente”, comenta. Além disso, o brincar sozinho permite à criança criar as próprias oportunidades, algo importante para o desenvolvimento social dela no futuro.


Estímulo

Só que não é qualquer tipo de distração que conta para o tempo a sós de qualidade. Segundo a especialista, o ideal é que os pais criem momentos para que os filhos brinquem sozinhos sem contar com o uso de recursos tecnológicos, por exemplo.


“Hoje as crianças estão recebendo as brincadeiras muito prontas, os jogos eletrônicos, as bonecas que já vêm falando, chorando e isso acaba deixando pouco espaço para a imaginação, uma capacidade desenvolvida na infância e que é útil para toda a vida. Então, a criança vai ter que inventar, imaginar, criar algo a partir do que não está pronto”, orienta Marjorie.


Mão na massa

Uma lista com sugestões de atividades para que as crianças brinquem sozinhas. Repare que as dicas também levam em conta a faixa etária dos pequenos:


3 anos ou mais

Casinha:

Materiais: colher de pau, panelas, tampas, potes, caixas de papelão


Tipo de brincadeira: Esses itens oferecem um grande estímulo para a imaginação e criatividade. A criança gosta de reproduzir o que vê, ou seja, ao ter contato com esses objetos, poderá imitar os adultos cozinhando e preparando sua refeição. A criança também pode criar sua própria brincadeira, fazendo sons. Já as caixas de papelão são ótimas para brincar. A criança pode entrar nela e ter a percepção de dentro e fora, de em cima e embaixo, imaginar um castelo, uma casa, um carro, um ônibus ou mesmo um foguete.


Importante: Os pais precisam estar atentos quando a criança está na cozinha para não mexer no fogão ou em objetos quentes ou cortantes, mas não a proibir de brincar nesse espaço. Inclusive quando os pais cozinham podem deixar a criança brincando com esses objetos. Assim, ela se sentirá mais calma, além dos estímulos da brincadeira.


O que desenvolve: estimula a imaginação, criatividade, desenvolvimento sensorial, noções de espaço, tamanhos e formas, entre outros.


Baú de fantasias


Materiais: Uma caixa com roupas, calçados, chapéus, bolsas, pedaços de pano, algumas fantasias e outras coisas que adultos usam que não ofereçam perigo.


Tipo de brincadeira: Pedir para a criança se vestir como adultos ou se imaginarem como personagens: príncipes, princesas, fadas, super-heróis.


O que desenvolve: A capacidade de entender o significado das atividades dos adultos, as relações que eles estabelecem com as pessoas, os valores e costumes da família. Desenvolve a criatividade abre um mundo real de personagens. Nessa brincadeira, os pequenos também conseguem demonstrar seus sentimentos, medos e angústias.


6 anos ou mais

Massinha de modelar caseira