• Assessoria de Comunicação

CÂNCER: Quanto mais se vive, mais teremos que lidar com ele



Câncer é uma doença degenerativa, que aumenta com a idade do indivíduo e torna-se mais frequente na mesma proporção do envelhecimento da população. No passado as pessoas não viviam o bastante para chegar à idade de ter câncer. A mortalidade, por outro lado vem diminuindo na maioria dos países, e nos diferentes tipos de câncer.


Os métodos de prevenção, diagnóstico precoce e tratamento experimentaram avanços sem precedentes nas últimas décadas e isto pode ser viso nas estatísticas de mortalidade nos diferentes tipos de câncer.


Em um estudo publicado em 2017 sobre 282 causas de mortes em 195 países, demonstrou que as mortes por câncer contribuíram com 23,3% (um quarto) do total de mortes. O maior número de mortes ocorreram nos cânceres de pulmão, seguidos pelo câncer colorretal.


Globalmente, quando comparadas com as outras causas de morte, as mortes por câncer aumentaram 25,4% entre 2007 e 2017. A maior aumento no número de mortes neste período ocorreu nas doenças mieloproliferativas (leucoses),Neste mesmo período a mortalidade global por câncer ginecológico, para cada 100.000 mulheres por ano, diminuiu em 7,2% para o câncer do colo do útero, 11,2% para câncer do corpo de útero, 1,7% para o câncer de mama, e aumentou em 1,1% para o câncer de ovário.


No Brasil, o câncer ginecológico (mama, colo do útero, endométrio e ovário) representam quase a metade de todos os cânceres que ocorre na mulher. O câncer do colo do útero é passível de prevenção através da vacina contra o HPV, recomendada para meninas de 9 a 13 anos, e meninos de 11 a 13 anos. Também é uma doença passível de diagnóstico e tratamento precoce. No entanto o câncer do colo do útero em nosso meio apresenta-se como doença avançada em 77% dos casos.


Esta realidade precisa ser mudada urgentemente através de melhores programas de prevenção, rastreamento, diagnóstico e tratamento. O câncer de endométrio vem crescendo de maneira assustadora devido à mudança do perfil da nossa população feminina (menor número de gravidezes e sobretudo a obesidade). Cabe ao ginecologista brasileiro colocar o câncer na sua agenda de trabalho.


Não importa em qual área da Ginecologia e Obstetricia esteja a sua área de maior interesse. A sua paciente é uma candidata a: ter risco de câncer, prevenção de câncer, diagnóstico e tratamento de câncer no momento adequado. Câncer não espera e o sucesso no tratamento corre contra o relógio.


Fonte:

2 visualizações0 comentário
Acesso Rápido

E-mail: gabinetenoemiarocha@gmail.com
Contato: 41 9994-15007

Endereço: Barão do Rio Branco, 720. 4º andar.

         Acompanhe nosso mandato

© 2019 by Ascom Noemia Rocha.    Políticas de Privacidade