• Assessoria de Comunicação

7 dicas de como montar uma rotina com as crianças em casa

Especialistas ajudam pais a manter os filhos entretidos nesse período de isolamento social por causa do coronavírus.


O alerta para conseguimos reverter o cenário de pandemia do coronavírus (Covid-19) é: fiquemos em casa! Isso significa que a maioria das escolas paralisaram as aulas em decorrência da doença e muitas empresas liberaram office para evitar aglomerações. Com pais e filhos juntos em casa, é preciso muito jogo de cintura para contornar a situação, inclusive para que as crianças não percam o ritmo que vinham ganhando com a escola.


Uma das saídas para isso é organizar uma rotina com atividades pensadas para que o ato de ficar em casa impacte o menos possível na vida do pequeno.



“Para a criança de até seis anos, a rotina traz mais segurança. E, nesse momento, a segurança que a criança precisa não é só física, de não sair para não ter contágio, mas também emocional”, explica Bruna Freitas, psicóloga e gerente de pessoas na Escola da Inteligência.


A especialista também esclarece que a expressão “rotina” pode trazer a ideia de algo muito rígido, mas não deve ser assim, já que o isolamento social já é difícil por si só. O objetivo é que a organização do dia a dia do pequeno o ajude a entender que o período não é de férias e algumas regras precisam ser seguidas.


Só que estabelecer tais limites na prática não é tão fácil quanto na teoria. Por isso, separamos sete dicas de como fazer com que a adaptação das crianças seja mais simples tanto para elas quanto para os pais.


Confira:

1. Inspire-se na rotina que já existia

No mundo perfeito, o ideal seria que horários como o de acordar, almoçar, tomar banho e de dormir fossem mantidos. Mas com todo mundo em casa, fica mais difícil colocar isso prática. Por isso, a psicóloga explica que a melhor saída nessa situação é os pais adaptarem o que for preciso para o mais próximo que os filhos estão acostumados. 


Por exemplo, se a criança estuda pela manhã e está habituada a acordar cedo, os pais podem escolher deixá-la dormir só meia hora a mais para tomarem café da manhã juntos sem ninguém sofrer com o sono.


Há também a opção de deixar o pequeno dormir até mais tarde para que os pais consigam adiantar seus trabalhos pessoais. Nessa escolha, a dica é acordar o filho em um horário que seja próximo a de outra refeição que ele está familiarizado, como o lanche da manhã da escola.


A mesma ideia de apostar no que a criança já está acostumada é trazida pela pedagoga Bruna Duarte sobre como inserir as atividades educativas nessa nova rotina dos baixinhos.   


“Os pais podem pensar no cronograma que a escola já tem. Por exemplo, na segunda-feira, as crianças fazem artes e trabalham com atividades relacionadas a línguas. Portanto, em casa, os pais fazem uma atividade pintura, de massinha. Já na atividade de línguas, eles leem um livro com a criança ou procuraram um caça-palavras”.


2. Envolva as crianças nas decisões

Além de seguir o que a criança está acostumada, vale também perguntar a ela o que gostaria de fazer naquele dia. As especialistas explicam que essa atitude incentiva a autonomia dos pequenos. Entretanto, é importante que haja atenção dos pais para sempre trazer os filhos para a realidade.


Por exemplo, se você perguntar para uma criança o que ela quer fazer hoje, a resposta pode ser ir à praia. Nessa situação, Bruna Freitas lembra que combinados podem ser um bom jeito de contornar a situação sem frustrar os pequenos.


Isso significa que os pais devem dizer para a criança que é o pedido dela é interessante, mas que não é possível realizá-lo neste momento. Mas eles podem usar a imaginação para recriar o cenário de uma praia na sala de casa. Providencie toalhas, finja que o tapete é o mar e distribua picolés. Pode ser uma brincadeira bem divertida pros menores!


Bruna Duarte também enfatiza que a pergunta do que o pequeno gostaria de fazer também vale para as atividades educacionais, desde que haja uma margem de escolha para ele. Caso contrário, a criança só escolherá brincadeiras.


3. A organização com as crianças é diária

Diferente dos adultos que conseguem planejar a semana inteira antes dela acontecer, com as crianças o ritmo é diferente. A psicóloga explica que elas não têm a mesma noção de tempo dos adultos. Isso significa que os pais precisam conversar com os filhos diariamente para lembrá-los do que acontecerá amanhã.


Essa organização é importante para contornar a ansiedade dos dois grupos, além de trazer a sensação de que o dever está sendo cumprido a partir do momento que as tarefas começarem a serem sinalizadas como feitas.