• Assessoria de Comunicação

10 dicas para prevenir acidentes e doenças ocupacionais



Com um mercado de trabalho tão competitivo e com a crise econômica, as empresas estão exigindo cada vez mais dos seus funcionários.


O maior desafio dos gestores é criar um ambiente em que a eficiência e os resultados possam coexistir com a segurança,

qualidade de vida e saúde dos profissionais.


Por isso, separamos 10 práticas para ajudar a evitar os acidentes e doenças ocupacionais.


1. Entenda a importância dos EPIs


O uso do EPI é fundamental para garantir a saúde e a proteção do trabalhador, evitando consequências negativas em casos de acidentes de trabalho. Além disso, o EPI também é usado para garantir que o profissional não será exposto a doenças ocupacionais, que podem comprometer a capacidade de trabalho e de vida dos profissionais durante e depois da fase ativa de trabalho.


Para que uma empresa possa conhecer todos os equipamentos de proteção individual que devem ser fornecidos aos seus funcionários, é necessário elaborar um estudo dos riscos ocupacionais. Esse tipo de trabalho facilita a identificação dos perigosos dentro de uma planta industrial, por exemplo, e ajuda a empresa a reduzi-los ou neutralizá-los.


Toda atividade profissional, por mais simples que seja, pode oferecer riscos à saúde dos colaboradores de uma empresa.


Os equipamentos de proteção individual (EPIs) são fundamentais na prevenção de acidentes e doenças ocupacionais, pois protegem os funcionários e fazem com que sua produtividade não seja afetada.


Cada função exige EPIs específicos, portanto, é importante conhecer a equipe de trabalho e a linha de produção, para que os equipamentos mais adequados a cada atividade laboral sejam utilizados.


Mantenha-os sempre em perfeito estado de conservação e não hesite em realizar trocas de equipamentos danificados ou desatualizados.


2. Divulgue os riscos


Os problemas originados pelos riscos ambientais em uma empresa é um dos temas mais discutidos na área de segurança e saúde do trabalho.


Os riscos ambientais são divididos em:


físicos: relacionados às energias a que os funcionários de um negócio estão submetidos (vibrações, temperatura, pressões e radiações);

químicos: produtos e substâncias que, quando em contato com seres humanos, podem causar danos à sua saúde;

biológicos: causados por bactérias e outros micro-organismos que podem infectar os colaboradores de uma empresa;

acidentes: ocorrências em um ambiente de trabalho que causam danos à saúde dos trabalhadores;

ergonômicos: prejuízos originados pelo esforço físico intenso e em excesso.

Antes de prevenir qualquer acidente ou doença ocupacional, seus funcionários devem conhecer todos os riscos a que estão submetidos. Quando isso ocorre, eles criam consciência da importância da prevenção de acidentes e doenças ocupacionais, já que agora entendem quão danosos esses riscos podem ser.


Dessa forma, promova palestras a fim de informar seus colaboradores sobre isso e não deixe de indicar, em seu ambiente de trabalho, os tipos de situações a que todos estão submetidos.


Não tem mapeado os riscos de cada função? Realize o quanto antes seu PPRA – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais e AET – Análise Ergonômica do Trabalho.


<